A Política Internacional da Descolonização: O caso dos Territórios Não -Autônomos.

Entrada da Conferência de São Francisco

O fim da Segunda Guerra Mundial trouxe mudanças expressivas para a ordem internacional e, consequentemente, em como as nações passaram a lidar com as relações internacionais. Uma alteração que merece destaque foi a criação, em 1945, da Organização das Nações Unidas, cujo intuito central reside na promoção da paz e da segurança internacionais.

Com o término do conflito, muito em razão do declínio internacional das potências coloniais e do surgimento de levantes de independência dentro das colônias, a descolonização passou a ter relevo na agenda política internacional, especialmente nas Nações Unidas. Em novembro de 1961 a Assembleia Geral adotou a Resolução 1654 (XVI) que estabelecia a formação do Comitê para tratar da ‘’Situação em Relação à Implementação da Declaração de Outorga de Independência da Países e Povos coloniais’’.

Após dois anos de trabalho, no entanto, a Comissão não teve resultados satisfatórios e emitiu Relatório mostrando-se apreensiva com a recusa de certos países em não cooperar com o processe de descolonização, fato que já trazia, e que certamente permaneceria trazendo, sérias consequências para a paz e segurança internacional. No total, mais de 70 países estavam sob o controle de outros Estados, vivendo em sistemas coloniais ou sem autonomia governamental. Este texto visa trazer breve compreensão do que são os Territórios Não-Autônomos e porquê ainda hoje se faz necessário o acompanhamento das Instituições Internacionais para a solução de lides tão antigas.

1. O Estado

Contextualização Histórica

Banquete da Guarda Civil de Amsterdã em celebração da Paz de Münster, por Bartholomeus van der Helst (1648).

O Estado moderno surge no contexto da Paz de Westphalia, evento que marca a celebração de tratados de Osnabrück e Münster, em 1648, que, além de marcarem o fim da ‘’Guerra dos Cem Anos’’, representam a criação de um novo sistema internacional europeu uma vez que as tratativas de Westphalia forjaram a criação de um sistema secular e não mais medieval ou de cristandade. Como bem assevera Bruno Carvalho (2018) é neste momento histórico em que a Raison d´état ou razão de Estado/interesse nacional passam a vigorar de forma mais efetiva.

Outro fator importante da Paz de Westphalia diz respeito à busca pela paz e segurança. Nos onze tratados estabelecidos durante as Conferências, surgem ideias modernas de diplomacia para a solução de conflitos, a noção de soberania e da balança de poder a fim de evitar o surgimento de novas potências hegemônicas. Desta forma, é possível depreender que foi neste período em que surgiram os conceitos modernos de Soberania, Estado e Equilíbrio de Poder.

É importante salientar, porém, que, em termos de relações internacionais, não é historicamente correto situar seu surgimento nos eventos de 1648. Cabe aqui, apenas como exercício imaginativo, a lição de Eugenio Vargas Garcia:

Assim, de um ponto de vista histórico-mundial, as relações internacionais teriam começado no primeiro contato entre bandos nômades caçadores-coletores no Paleolítico, antes, portanto, do advento da agricultura e da transição do nomadismo para as sociedades sedentárias (Neolítico) […] há 50–40 mil anos, adentrando o Paleolítico Superior.

Conceito de Estado

Antes de compreender o que são esses territórios não-autônomos, faz-se necessário entender qual o conceito de Estado. Na concepção de Vattel, em O Direito das Gentes, 1758:

As Nações ou Estados são corpos políticos, sociedades de pessoas* unidas em conjunto e de forças solidárias, com o objetivo de alcançar segurança e vantangens comuns. [Grifei]

De acordo com Thales Castro (2016), existem duas gerações de pensamentos sobre o nascimento estatal. Na primeira, o surgimentos dos Estados tem a ver com seus elementos constitutivos, logo, tem o caráter de diferenciar Estados de meras posses territoriais, departamentos ultramarinos ou regiões administrativas; a segunda geração, por sua vez, avalia os elementos de autogoverno e autoadministração (efetividade do aparelho burocrático nacional).

1.1 Elementos constitutivos do Estado

Para fins de Direito Internacional, o surgimento de um Estado demanda a reunião dos elementos constitutivos de um país, quais sejam:

a) Ostentar uma população permanente;

b) Possuir Território definido;

c) Ter um Governo efetivo[1];

d) Independência enquanto soberania externa;

e) Ter a capacidade de estabelecer relações com outros Estados[2] — (De acordo com a Convenção de Montevidéu 1933).

Nota-se a importância da população para o surgimento de um Estado. Isso ocorro porque um Estado só é considerado efetivamente soberano se seu povo tem a capacidade de autodeterminar-se, ou seja, se ele próprio pode decidir seus rumos políticos, econômicos, sociais e culturais.

É exatamente neste ponto que surgem os territórios não-autônomos.

Territórios Não-Autônomos

Um ano após o surgimento da ONU (1946), surge o debate acerca da necessidade de descolonização. Apenas na década de 60 é formada uma Comissão para tratar do tema. Para fins conceituais, entende-se por Territórios Não-Autônomos aqueles que estão sob Administração de outros Estados. Em outras palavras, são áreas geográficas sob domínio de outros países.

A Declaração que criou o Comitê Especial sobre a situação em relação à Implementação da Declaração sobre a Concessão de Independência aos Países e Povos Coloniais assevera que todos os povos têm direito à autodeterminação e proclama, ainda, que o colonialismo deve ser levado a um fim rápido e incondicional.

Entre a década de 1960 e hoje, mais de 80 países conquistaram a independência, restando apenas 17 sob Administração de outros Estados. Um exemplo próximo a nós brasileiros é o caso da Malvinas (Falklands). A ilha segue até hoje sob Administração do Reino Unido e tem a soberania reclamada pela Argentina.

Conclusão

É inegável que ainda hoje o mundo vive sob as sombras do colonialismo. Dos 17 países que ainda são considerados Territórios Não-Autônomos, todos são ilhas espalhadas pelo globo, com relevância aparentemente pequena. No entanto, interesses geopolíticos fazem com que ainda existam disputas em relação à soberania desses territórios. É, portanto, de suma importância para a manutenção da estabilidade mundial que as Nações Unidas e toda a comunidade internacional sigam empenhadas na busca de soluções pacíficas para estas lides.

[1] O Governo é o único elemento constitutivo que pode estar ausente (temporariamente) sem que o Estado deixe de existir.

[2] Em verdade, esta capacidade de estabelecer relações é consequência da existência de um Estado e não propriamente elemento constitutivo.

*No texto original utiliza-se a palavra ‘’homens’’, mas o autor entende não ser apropriado aos tempos atuais.

--

--

--

Pesquisador de História das Relações Internacionais. Baterista, fã de Jazz e vinhos de países alternativos.

Love podcasts or audiobooks? Learn on the go with our new app.

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store
Alexandre Lins

Alexandre Lins

Pesquisador de História das Relações Internacionais. Baterista, fã de Jazz e vinhos de países alternativos.

More from Medium

Inner Conflictions

Journal 6

The Ouroboros

Romantic Hastiness: When You Think You are the Solution